Companhia aérea passa a cobrar por bagagem de mão que não couber sob o assento


A companhia aérea Norwegian, que opera no Brasil realizando trechos internacionais do Rio de Janeiro, passou a cobrar seus clientes por bagagens de mão. A empresa de voos low-cost norueguesa dividiu a bagagem de mão, aquela que se pode levar dentro da cabine da aeronave, em duas categorias: uma para a bagagem que cabe embaixo do banco e outra para as malas mais volumosas, que precisam ser acomodadas no bagageiro acima dos assentos. Para transportar bagagens no compartimento superior, o cliente deve pagar uma taxa ou comprar uma passagem mais cara.

Procurada pelo Jornal do Comércio, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirmou, por meio de nota, que « não há irregularidade no que está sendo praticado », uma vez que a resolução da agência prevê um peso máximo para a bagagem de mão, mas não um volume máximo: « o transportador deverá permitir uma franquia mínima de 10 (dez) quilos de bagagem de mão por passageiro de acordo com as dimensões e a quantidade de peças definidas no contrato de transporte ». O tamanho da bagagem de mão, então, fica a critério de cada companhia.

Segundo informações do site da Norwegian, o custo a mais para levar uma bagagem maior está agregado ao tipo de passagem que é comprada. A opção mais barata, chamada de LowFare, permite uma bagagem de 30 cm x 20 cm x 38 cm transportada debaixo do assento, pesando até 10 quilos. A segunda opção de bilhete, LowFare+, permite até duas bagagens: uma com as mesmas medidas da anterior, mais outra com proporções de até 55 cm x 40 cm x 23 cm, que seria acomodada no bagageiro. Nessa opção, os 10 quilos devem estar distribuídos entre os dois volumes.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/05/206x137/1_bagagem_avaicao-8972930.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e3b2c29efe09', 'cd_midia':8972930, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/05/bagagem_avaicao-8972930.jpg', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '495', 'align': 'Left'}

Empresa explica em seu site sobre bagagens aceitas em cada tipo de bilhete. Foto: Norwegian/Reprodução/JC

Nas opções Flex, Premium e PremiumFlex, mais caras, são permitidos os mesmos volumes da opção LowFare+, mas o limite de peso para os volumes para a 15 kg.

Em uma simulação de compra feita na tarde de quarta-feira (5), um voo partindo do Rio de Janeiro (GIG) a Londres (LGW), com ida marcada para 3 de abril do Brasil e volta para 17 de abril, a passagem LowFare tinha o custo de R$ 1.259,66 a ida e R$ 1.002,78 a volta. A segunda opção mais barata, LowFare+, que permite o uso do bagageiro superior, custava cerca de R$ 300,00 a mais (ida R$ 1.546,90 e volta R$ 1.290,02).





Source link

A lire aussi

Laisser un commentaire