Brasileiro cruza as Américas e chega ao Alasca de carona – Notícias



« As pessoas falam que ninguém consegue fazer isso. Bom, eu estou fazendo coisas que as pessoas falavam que ninguém conseguiria fazer ». Essa foi a frase que Gabriel Dias, mais conhecido como Gabriel Viajou, usou para descrever o que ele chama de « uma experiência incrível ».


Gabriel acaba de chegar ao Alasca após pouco mais de três anos viajando pelo continente americano basicamente de carona. Uma jornada que foi sendo improvisada à medida que o destino — no sentido de « sorte » — foi mudando o destino — aí sim, o da viagem.


Gabriel começou querendo chegar em Machu Picchu, acabou primeiro rodando todo o Brasil, depois a América do Sul e, por fim, tomou o rumo norte. Chegou neste domingo (9) ao Alasca.


« A sensação é de que mundo é grande, mas meu sonho é maior », definiu o viajante pelo WhatsApp ao R7, logo depois de enviar o registro fotográfico da missão cumprida.


Gabriel contou que, das várias aventuras vividas no caminho, o último trecho acabou sendo o mais difícil. « No inverno, não tem muito tráfego, foi difícil achar carona. »


Mas como em todos os momentos, ele insistiu. E chegou lá.


Primeiro, de carro pelo Brasil


A louca viagem de Gabriel teve início em 21 de outubro de 2016, às nove horas da noite, com um objetivo completamente diferente das terras geladas do Ártico.


« Eu estava no meu escritório e tinha acabado de olhar meu extrato no banco. Na época eu tinha 22 anos e pensei que podia viajar com o dinheiro que eu tinha », conta.


Pesquisando lugares para visitar, Gabriel se deparou com Machu Picchu e decidiu que esse seria o seu destino. « Olhei no mapa e vi que estava há pouco mais de 2 mil km de lá. ‘São três dias dirigindos’, pensei, e decidi ir naquela hora mesmo. »



Gabriel era empresário, dono do próprio negócio. Ele tinha uma imobiliária e também vendia milho. Chegou em sua casa, em Cuiabá (MT), arrumou a mala e entrou no carro. Enquanto dirigia começou a pensar no irmão — era aniversário dele — e decidiu ir para a casa de sua família em Lavras (MG). 


« Peguei meu irmão e fomos visitar cidades de Minas Gerais. De lá fomos para o Rio de Janeiro (RJ). » Depois ele decidiu continuar viagem sozinho enquanto aproveitava para trabalhar vendendo milho.


« Era época de seca e a fase era boa para vendas. O valor estava alto e consegui vender com uma boa margem ». Ele seguiu estrada rumo ao Nordeste. Foi parar em Arraial d’Ajuda (BA). 


Após alguns dias voltou para sua viagem e parou em Canoa Quebrada, no Ceará. « Meu carro quebrou em Canoa Quebrada », conta ele em tom de brincadeira. Decidiu, então, deixar o carro por lá mesmo, na oficina, e pegou um voo até São Paulo. Na capital paulista, ele lembra que passou um « tempão ». 


Sua próxima viagem foi para o Sul do Brasil. Depois voltou para Mato Grosso e para o seu escritório. « Um belo dia, estava atendendo um cliente e percebi que ele me passou a perna. Quando descobri foi a gota d’água », relata.


Contratempos no caminho


Gabriel disse que se desapontou e pensou novamente em viajar o mundo. « Comecei a olhar o mapa e, um dia, vi o Alasca na ponta do mapa ». Quanto mais ele olhava o mapa, mas ele percebia que queria conhecer todos os lugares.


Mais uma vez o planejamento para viajar começou. Sua primeira decisão foi ir de carro: « Desço até Ushuaia e depois subo até o Alasca », decidiu. Mas antes de iniciar sua programação, Gabriel pegou a estrada para resolver algumas questões e para ir até à casa dos pais, em Brasnorte (MT). Foi visitar a família antes do que ele chama de « viagem louca ».


Mas de repente tudo mudou. Ele sofreu um acidente no caminho que destruiu o carro. « Foi o primeiro grande prejuízo da minha vida », conta.


Depois disso, Gabriel conta que tudo desandou. « Minha vida virou uma bola de neve e em pouco tempo eu praticamente não tinha mais reserva ». Até hoje, de acordo com ele, ainda há prejuízos financeiros.


Caronas rumo ao sul


Sem carro, viajar de carona não era um opção para o Gabriel. « Eu tinha o Ted, meu cachorro. Ele era tudo na minha vida. Queria viajar de carro com ele. »



Com o tempo, ele acreditou que seria possível viajar de carona com Ted. Preparou os vistos e foi para a beira da estrada. Mas ninguém parou.


Ele já tinha doado todos os seus bens, mas percebeu que não conseguiria chegar ao destino com o Ted. Os pais do Gabriel foram buscar seu amigo e a viagem louca teve início.


« Passei pelas Cataratas, Uruguai, Argentina e Ushuaia. Depois Chile e várias outras cidades muito legais. Passei muito frio, passei dias esperando carona, mas foi uma experiência incrível. Tudo valeu a pena ».


Escalou a maior montanha da América — o Aconcágua. Foi até o Peru. Depois, resolveu voltar para o Brasil, pegar o Ted e viajar com ele de bicicleta. « Cheguei assoviando e chamando por ele, cheio de saudade ». Na casa dos pais, Gabriel ficou sabendo da morte do seu amigo.


« Fiquei mal, fiquei triste, e tirei a ideia de viajar de bicicleta. Sem o Ted não teria graça. » 


De volta, rumo ao norte


Gabriel foi se aventurar de novo. Pedindo carona — mais uma vez. Pegou carona de carro, em avião, em veleiro e uma « carona escondida » em um trem de carga.


« Era um sonho andar em cima de um trem de carga, escondido. E eu fiz isso ». Ele relata e, há quilômetros de distância, consigo saber que ele está sorrindo ao se lembrar da sensação daquele sonho realizado.



Já completando um ano de viagem, ele estava na Colômbia. Era formatura do seu irmão na faculdade e decidiu voltar e fazer uma surpresa pra ele. Retornou à Minas, foi na formatura e depois visitou os pais em Brasnorte. Seu pai havia acabado de comprar um bicicleta e aquela ideia da viagem de bicicleta voltou à mente do viajante.


« Cheguei até a Venezuela. Era fim de fevereiro de 2019 ». Em meio à imprensa, chegou até os militares e perguntou se podia entrar no país. Foi liberado. Na próxima barreira militar, ele foi levado para um local e interrogado. 


« O que eu vivi ali me traumatizou. Muito. Entrei em pane. Essa foi a coisa mais louca de toda a viagem. Voltei para casa e meus pais não queriam mais que eu viajasse, ficaram preocupados. Mas eu queria voltar a viajar », relembra.


Depois de seis meses, Gabriel já estava melhor e se sentia aprisionado. Queria voltar para seu objetivo e chegar ao seu destino. Em novembro do ano passado, decidiu que em 2020 estaria no Alasca. Mais caronas e mais de 17 mil km depois, ele chegou ao Canadá.


No final desta semana, Gabriel partiu das terras canadenses, rumo ao destino que estipulou anos atrás. Ele chegou no Canadá quase dois meses depois de mais uma partida do Brasil. E claro, de carona.





Gabriel chega ao Alasca




« Estou ansioso para ver uma aurora boreal », disse Gabriel logo depois de chegar ao Alasca. « Estou indo direto para Fairbanks que é um bom lugar para vê-las. »


O próximo plano é passar seis meses no Alasca. « Quero ficar e aprender inglês. Fazer fotos e, talvez, voltar a ganhar dinheiro com isso. Como já foi, alguns anos atrás. »


Depois de lá, ele pretende fazer uma volta ao mundo: « Não sei por onde começar, mas quero chegar ao Alasca pela segunda vez, passando por todos os continentes », revela.


Com toda a experiência adquirida e aventuras vivenciadas em cada cidade de cada país por onde passou, Gabriel analisa: « O que mais aprendi é parar de querer viver no futuro e parar de ficar preso ao passado. » 


O viajante não descreve o presente como o lugar em que está, mas como um estado. E completa: « O presente é o único lugar em que você pode ser feliz. »


Segundo Gabriel, as pessoas o chamam de louco, mas para ele « loucura é ir pro cemitério sem viver os sonhos ».



Read more

A lire aussi

Laisser un commentaire