África do Sul celebra os 30 anos da libertação de Nelson Mandela – Notícias


Mandela morreu em 2013 e passou 27 anos preso como prisioneiro político, junto com outros líderes do Congresso Nacional Africano (CNA)

Comemoração da data de libertação de Mandela


A África do Sul comemora nesta terça-feira (11) o 30º aniversário da saída de Nelson Mandela da prisão, uma imagem que circulou o mundo e com a qual os sul-africanos viram « que o apartheid estava morto », como disse o presidente do país, Cyril Ramaphosa, durante as homenagens.


« O dia 11 de fevereiro de 1990 sempre será lembrado como um dos dias mais memoráveis da história do mundo, não apenas na história da África do Sul. O dia em que Madiba foi libertado, foi o dia em que que todos sabíamos que o apartheid estava morto », disse Ramaphosa à multidão que se reuniu para ouvi-lo, da varanda da Prefeitura da Cidade do Cabo.


No mesmo local, há 30 anos, Nelson Mandela fez seu primeiro discurso público depois de deixar a prisão de Victor Verster – localizada nos arredores da cidade -, em 11 de fevereiro de 1990.


O próprio Ramaphosa estava ao seu lado naquele dia, segurando o microfone, então seu discurso de hoje estava cheio de referências às memórias daquele dia histórico.


O presidente disse que, naquele dia, Mandela lançou as bases para a futura democracia e de uma África do Sul que escolheu um « ramo de oliveira » em vez das armas. Escolheu a « reconciliação » em vez do conflito.


« Vamos tentar viver à sua imagem », insistiu o presidente.


Leia mais: As frases mais célebres de Nelson Mandela


O discurso de Ramaphosa foi o ponto principal da agenda deste dia comemorativo, mas durante a manhã, também aconteceram outros eventos, como uma reunião de quase todos os membros que, três décadas atrás, integraram o comitê de recepção de Mandela.


Mandela, que morreu em 2013, passou 27 anos preso como prisioneiro político, junto com outros líderes do Congresso Nacional Africano (CNA). Para o mundo, o líder sul-africano tornou-se o grande ícone da luta contra o regime segregacionista do apartheid.



Read more

A lire aussi

Laisser un commentaire