Bolsas asiáticas fecham mistas, com coronavírus, petróleo e « payroll » no radar


As bolsas asiáticas fecharam perto da estabilidade ou com perdas moderadas nesta sexta-feira (3) em meio ao avanço do coronavírus e o comportamento volátil do petróleo, e à espera de novos dados dos EUA que deverão mostrar forte deterioração no mercado de trabalho da maior economia do mundo em função da pandemia.

Na China continental, o índice Xangai Composto caiu 0,60% nesta sexta, a 2.763,99 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,47%, a 1.689,57 pontos.

Liu Guoqiang, um dos vice-presidentes do banco central chinês – conhecido como PBoC – disse mais cedo que reguladores irão orientar os bancos comerciais do país a abrirem mão de parte dos lucros para apoiar a economia enquanto a autoridade monetária mantém ampla liquidez no sistema financeiro.

Cerca de duas horas após o fechamento dos mercados chineses, o PBoC anunciou um novo corte do compulsório exigido de bancos pequenos e médios, de 1 ponto porcentual.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei ficou praticamente estável em Tóquio, com alta marginal de 0,01%, a 17.820,19 pontos, assim como o sul-coreano Kospi, que subiu apenas 0,03% em Seul, a 1.725,44 pontos, enquanto o Hang Seng registrou baixa de 0,19% em Hong Kong, a 23.236,11 pontos. Em Taiwan, a bolsa não operou pelo segundo dia consecutivo devido a feriados locais.

O número de casos de infecção por coronavírus no mundo ultrapassou na quinta-feira (2) a marca de 1 milhão, incluindo 52 mil mortos. A situação é particularmente preocupante nos EUA, que lideram com cerca de 240 mil casos, e em vários países europeus, como Itália e Espanha.

Indicadores recentes mostraram que a Covid-19 – doença causada pelo vírus – já afetou fortemente o mercado de trabalho americano. Na manhã desta sexta, os EUA divulgam seu relatório de emprego (o « payroll ») de março e a expectativa de analistas é de um significativo corte nos postos de trabalho.

O petróleo também está no radar. Na quinta, a commodity saltou mais de 20%, registrando ganhos recordes, em meio a expectativas de que Arábia Saudita e Rússia cheguem a um acordo para reduzir sua produção. Durante a madrugada, o petróleo mostrou volatilidade antes de se firmar em alta com notícia de que a Opep+ deverá realizar uma teleconferência na próxima semana para debater um possível corte na oferta do grupo.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no vermelho, apesar do desempenho positivo de petrolíferas e mineradoras. O S&P/ASX 200 caiu 1,68% em Sydney, a 5.067,50 pontos. 






Source link

A lire aussi

Laisser un commentaire