Após coronavírus, sul da Itália pode enfrentar a propagação da máfia – Notícias




Se até agora o coronavírus atingiu especialmente as regiões ao norte da Itália, seu impacto no sul do país, mais pobre e com mais desemprego, pode ser ainda mais grave, diante do risco que as máfias aumentem seu poder, em locais onde as instituições públicas não conseguem dar uma resposta adequada à crise.


« Se o Estado não chega, chega o crime, que se disfarça de benfeitor, te dá o que comer e depois cobra a conta », explicou à EFE o prefeito de Nápoles, Luigi de Magistris. Ele alertou sobre o perigo real de que « o vírus desencadeie uma contaminação criminal ».


Leia também: Mortes por covid-19 voltam a ter crescimento em 24h na Itália


Leoluca Orlando, prefeito de Palermo e com histórico na luta contra a máfia, coloca de outra maneira: « se um doente liga para o médico e ele não atende, vai ligar para um curandeiro ». Ambos alertam que as organizações criminosas têm uma liquidez que as instituições públicas não possuem e, como disse De Magistris, « não têm burocracia ».




A interminável crise no sul




« A crise sanitária chegou primeiro ao norte e depois veio para o sul, mas a crise econômica já havia começado no sul », conta Orlando, prefeito da capital da Sicília e uma das cidades mais populosas do país, mas também uma das mais pobres.


A paralisação da economia decretada pelo governo, que colocou trabalhadores de todo o país em situalção delicada, tem um agravante no sul italiano: os milhões de trabalhadores informais que têm muitas dificuldades para conseguir as ajudas estatais.





Na Itália, há 3,7 milhões de trabalhadores na economia informal, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (ISTAT, na sigla em italiano), « dos quais uma boa parte está no sul », destaca Angelo Colombini, secretário do sindicato CSIL, muito presente na regiao.


Na Sicília, na Campânia e na Calábria, a crise de 2008 fez com que muitas empresas fossem fechadas e não voltassem a abrir, diz Colombini. Por conta disso, as pessoas agora se vêm obrigadas a enfrentar « a impossibilidade de trabalhar, quando já tinham muitos problemas antes ».


Diante da situação, o governo tentou adiantar algumas medidas, como auxílios de 4,3 bilhões de euros (cerca de R$ 24,5 bi) aos municípios e 400 milhões de euros (cerca de R$ 2,2 bilhões) em vouchers de compra, além de anunciar que aumentará a renda mínima, benefício do qual muitas famílias do sul dependem.


Para De Magristris, que antes de ser prefeito de Nápoles foi promotor em casos contra a máfia, essas medidas são « um primeiro passo », mas faltam mais recursos, em especial para as pequenas cidades, que estão « à beira de um colapso ».




O perigo do dia seguinte




Os alarmeas soaram dias atrás, quando um grupo de pessoas assaltou um supermercado em Palermo e, nas redes sociais, apareceram dezenas de chamados à revolta popular, algo que Orlando diz que não passou de « um episódio isolado que não voltou a acontecer ».


Ainda assim, a cidade executou uma « duríssima ação preventiva » para impedir que a situação de necessidade das pessoas se transforme em um aumento de violência.


Em Palermo, o número de famílias que recorrem aos serviços sociais passaram de 600 a 10 mil em poucas semanas, afirma Orlando. Para ele, isso pode gerar uma « nova pobreza » de trabalhadores que tiveram de parar e perderam suas fontes de renda.


« Depois de uma crise como esta, vai haver muita fragilidade social e esse é um terreno fértil para as máfias », explica Vicenza Rando, advogada e vice-presidente da associação antimáfia Libera, que teme que as organizações criminais entrem em novos setores profissionais, como o de saúde.


Todos os entrevistados concordam que o maior perigo acontecerá quando acabar a crise sanitária e milhares de empresas quebrarem ou precisarem de liquidez. « No início, vão vir com o rosto humano de alguém que quer ajudar, mas isso só serve para que eles recuperem um espaço que tinham perdido », aponta De Magistris.


« Para as máfias que vão com seu dinheiro a uma empresa em dificuldades, não interessa tanto que ela se recupere, mas sim controlar o território e o consenso público », continua Rando.


« Em 1985 cortei os contratos de todas as empresas operadas pela máfia e os trabalhadores demitidos protestaram contra mim, levando meu caixão », relembra Orlando, que diz que a última coisa que quer é voltar a essa época.


« En 1985 le quité todas las contratas a las empresas operadas por la mafia y los trabajadores despedidos se manifestaron contra mí llevando mi ataúd », recuerda Orlando, que asegura querer evitar absolutamente volver a esa época.




Como parar as máfias?




Primeiro é necessário « intervir nas necessidades reais, porque se se não se apagar o incêndio da necessidade, teremos uma bomba nas nossas mãos », afirma De Magistris, que cita como exemplo iniciativas de Nápoles, como um banco de apoio aos mais vulneráveis.


« O problema é hoje para quem quer comer, amanhã será o dia dos agiotas », adverte Orlando, que pede para o governo relaxar normas fiscais das cidades para poder gastar mais fundos na recuperação econômica.


Já na Libera, o pedido é por uma colaboração da União Europeia porque, segundo alerta Rando, « as máfias não têm fronteiras » e em uma situação assim elas podem até mesmo expandir sua atuação pelo continente.


Para além da resposta das instituições, cidadãos do sul e de todo o país começaram a implementar iniciativas de solidariedade comunitária, com uma surgida em Nápoles da chamada « spesa sospesa » (gastos suspensos, em italiano), uma cesta colocada na rua onde vizinhos deixam comida para os que necessitam.


« Em Nápoles temos um ditado: o napolitano passa fome, mas nunca morre. Como sabemos sofrer temos uma rede muito forte de proteção social que nos dá anticorpos diante do vírus do crime », conclui De Magistris.



Read more

A lire aussi

Laisser un commentaire