Brasil, países europeus e latino-americanos defendem a OMS – Notícias





Ministros de 18 países europeus e latino-americanos defenderam nesta sexta-feira (10) o papel da Organização Mundial da Saúde (OMS) na coordenação da resposta internacional à crise causada pela pandemia de covid-19, uma clara reação à postura dos Estados Unidos.


Em declaração ao término de uma videoconferência organizada por França, Espanha e União Europeia, os países enfatizaram que « a cooperação e a solidariedade devem estar no centro da resposta à pandemia ».


Três dias após os Estados Unidos notificarem a saída da OMS por causa do que consideram ser uma má prática na gestão desta crise, os 18 países expressaram apoio à ação de coordenação da organização para realizar uma « avaliação imparcial, independente e abrangente » para tirar lições da resposta internacional à covid-19.





A conferência contou com a participação de Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Peru e República Dominicana. Do lado europeu, os presentes eram Alemanha, Croácia, Espanha, França, Itália, Holanda, Portugal, Eslovênia e Suécia.


Em outro ponto da declaração, que também pode ser lido como um sinal das diferenças em relação ao unilateralismo do presidente norte-americano, Donald Trump, os países disseram estar convictos de que « a crise atual é um argumento suplementar a favor do fortalecimento do sistema multilateral ».


Todos reafirmaram o apoio aos objetivos da Carta das Nações Unidas e expressaram determinação para alcançar « acordos ambiciosos » nas conferências sobre mudanças climáticas (COP26) e sobre a biodiversidade (COP15) no ano que vem.


Os 18 países enalteceram a solidariedade demonstrada entre eles desde o início da crise sanitária e a vontade de reforçar a cooperação para enfrentar a epidemia e as suas consequências, principalmente econômicas e sociais.





Comprometeram-se a combater a escassez de equipamentos médicos essenciais, a facilitar a circulação de equipamentos e produtos necessários para prevenir e tratar a doença, e disseram que possíveis vacinas futuras deveriam ser consideradas « bens públicos globais » para garantir o acesso geral.


A França aproveitou esta reunião para anunciar que dedicará mais de 800 milhões de euros em doações e empréstimos bilaterais para ajudar os países da América Latina e do Caribe a lidar com a covid-19 e seus efeitos.


Estes recursos franceses, que são adicionais aos previstos pela União Europeia como conjunto, buscam fornecer ajuda emergencial aos sistemas de saúde, garantir a subsistência das populações indígenas e mais vulneráveis, reduzir as consequências da crise e preparar uma recuperação sustentável.


Veja também: Para ex-assessor, governo Trump é uma ‘anomalia’ na história dos EUA


A ministra espanhola das Relações Exteriores, Arancha González Laya, lembrou que, desde o início da crise, « a Espanha implementou uma série de mecanismos para tentar ajudar os países latino-americanos », como a promoção dos « Diálogos da covid-19 », para « compartilhar experiências e lições aprendidas e gerar redes de especialistas ».


Esta é a primeira reunião de alto nível entre representantes de ambas as regiões desde a reunião de ministros da UE com a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) em Bruxelas, em julho de 2018. O objetivo do encontro era chegar a um acordo sobre uma resposta internacional coordenada em matéria de saúde e fortalecer o diálogo político.


Semana é marcada por atos contra medidas de prevenção à covid-19






Read more

A lire aussi

Laisser un commentaire