Atividade industrial gaúcha cai 10,8% no 1º semestre


Mesmo com a elevao de 4,2% de maio para junho, a segunda consecutiva aps os 10,2% registrados entre abril e maio, o ndice de Desempenho Industrial (IDI-RS) permanece em um nvel muito baixo, segundo divulgado nessa segunda-feira (3) pela Federao das Indstrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). Para voltar ao patamar de fevereiro haveria a necessidade de uma expanso de 13,7%.

Segundo o presidente da Fiergs, Gilberto Petry, o resultado do sexto ms do ano apenas evitou um tombo maior na atividade no primeiro semestre de 2020, cuja queda acumulada chegou a 10,8% na comparao a igual perodo de 2019. « Ainda estamos distantes de reverter as perdas recordes dos meses de maro e abril. Eram esperadas medidas que flexibilizassem o isolamento social e econmico e acelerassem a retomada nas atividades, mas elas foram tmidas », afirma o dirigente.

Com exceo da utilizao da capacidade instalada (UCI), que ficou estvel em 74,4%, os componentes do IDI-RS exibiram o mesmo comportamento de crescimento em junho, mas nenhum voltou ao nvel anterior pandemia. O IDI-RS no ms foi puxado pelo faturamento real ( 13,6%) e pelas compras industriais ( 9,8%). As horas trabalhadas na produo ( 5,9%), a massa salarial ( 1%) e o emprego ( 0,3%) tambm avanaram na passagem mensal, com ajuste sazonal. O emprego voltou a crescer aps trs meses de queda.

« A crise econmica sem precedentes e seus reflexos mantm a atividade industrial gacha baixa. A demanda interna, com consumo e investimentos, e as exportaes industriais, ainda que tenham mostrado alguma melhora, tambm continuam bem abaixo dos patamares de antes da crise », observa o presidente da Fiergs.

No primeiro semestre de 2020, todos os componentes do IDI-RS registraram quedas expressivas frente a igual perodo do ano passado: compras industriais (-19,1%), faturamento real (-12,9%), horas trabalhadas na produo (-11,8%), a UCI (-6,3 pontos percentuais), massa salarial (-8,6%) e emprego (-2,7%). Alm disso, os seis primeiros meses de 2020 terminaram com recuos intensos e generalizados em 14 dos 17 setores pesquisados. As principais influncias negativas vieram de Veculos automotores, com baixa de 20,8%, e Mquinas e equipamentos e Couros e calados, com 12,3% e 20,9%, respectivamente. Em sentido oposto, mais uma vez o destaque positivo esteve com o setor de Alimentos, cujo aumento chegou a 3,5%.

Com o cenrio atual, a expectativa de recuperao para o segundo semestre, segundo Petry, acompanhando a reabertura gradual das atividades e o aumento da confiana empresarial. Mas o ritmo ser lento, destaca, influenciado pelo desemprego elevado e, especialmente, pela incerteza quanto evoluo da pandemia no pas e no mundo.

Em relao ao mesmo ms do ano anterior, o IDI-RS caiu 10,4% em junho – a nona queda consecutiva nessa mtrica. Dois dias teis a mais em junho de 2020 evitaram um resultado pior para o ndice.







Durao da pandemia preocupa setor



O anncio da Organizao Mundial da Sade (OMS) de que a pandemia do coronavrus « no est sequer perto do fim » um alerta para a indstria gacha. O presidente da Federao das Indstrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry, chamou ateno para o fato de que a quarentena (40 dias) j se estendeu para 140 dias e sem perspectiva no curto prazo. « O quadro deixa de ser preocupante e passa a ser grave. No se trata da questo sade versus economia, mas de ambas terem o mesmo olhar que passa pelo comprometimento de todos para chegar a um denominador comum, ou seja, a sobrevivncia das pessoas e empresas », diz.

Petry destaca que, com o fechamento de empresas, demisses em massa e comrcio sem vendas, aumenta o desespero de quem no pode cumprir compromissos financeiros. « O efeito em cascata: caixas quebrados, Estado sem arrecadao, populao doente tambm pelos efeitos causados pela pandemia », afirma o presidente da Fiergs ao lembrar que no adianta fechar comrcio se a populao andar livremente sem mscaras, enchendo parques e ruas nos finais de semana.





Source link

A lire aussi

Laisser un commentaire