Eduardo Leite libera abertura do comércio e restaurantes na bandeira vermelha


Esta terça-feira (4) começa a marcar um novo estágio do sistema de distanciamento controlado no Rio Grande do Sul, com flexibilizações na bandeira vermelha para serviços não essenciais. As mudanças foram postadas pelo governador Eduardo Leite em sua conta no Twitter. As medidas seguem o que Leite considera como efeito da estabilização da demanda de doentes com Covid-19 nas UTIs.  

O governo vai publicar decreto com as alterações nesta terça ainda ou até a manhã desta quarta-feira (5). Com isso, a reabertura vai valer para o Dia dos Pais. As prefeituras podem adotar limitações acima das que foram flexibilizadas.


A lotação de UTIs no Estado é de 7% nesta terça, e na Capital, superou os 90%.     

Entre as permissões, vetadas até agora pela bandeira vermelha, que assinala o alto risco na pandemia e desde esta terça está em seis regiões do distanciamento controlado, está a abertura do comércio em geral, incluindo shopping center, de quarta-feira a sábado, das 10h às 16h.

Pelas regras para o comércio, divulgadas pelo Palácio Piratini, será permitido que 25% trabalhadores atuem em estabelecimentos com mais de três empregados. Restaurantes poderão funcionar de segunda a sexta, apenas no horário do almoço.

Os locais devem estampar em área visível o aviso sobre a lotação máxima nas bandeiras amarela, laranja e vermelha, para reforçar distanciamento mínimo – 75% (amarela), 50% (laranja) e 25% (vermelha).

O Piratini também teve reunião, por videoconferência, nesta terça com a Federação das Associações dos Municípios (Famurs) e as representações regionais para definir um distanciamento controlado com a cogestão. Novas alterações, para orientar prefeituras, devem ser editadas em decreto estadual. 

De outro lado, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE-RS) informou que solicitou ao Ministério Público (MP) medidas em relação a municípios que flexibilizaram a abertura de segmentos, mesmo sob bandeira vermelha. São os casos de Novo Hamburgo e Esteio, na Região Metropolitana.

O nível de ocupação das unidades de terapia intensiva e os óbitos seriam os parâmetros principais para a bandeira de alto risco. A questão é saber como vai ficar a atuação do órgão de fiscalização, após as mudanças anunciadas por Leite que permitem reabertura, mesmo com limites de dias e horários. 








Source link

A lire aussi

Laisser un commentaire