Biden, ex-vice de Obama quer recolocar Democratas na presidência – Notícias


Biden, de 77 anos, foi senador pelo estado de Delaware de 1973 a 2008, e foi ex-vice-presidente da gestão do democrata Barack Obama de 2009 a 2017


O ex-vice-presidente e « amigo » de Barack Obama (2009-2017), Joe Biden, usou sua experiência e moderação para se apresentar como o candidato democrata ideal para enfrentar o populismo do presidente norte-americano Donald Trump em eleições permeadas pela crise e a pandemia da covid-19.


– Acompanhe a cobertura completa das Eleições EUA 2020 –


Depois que sua campanha foi praticamente morta no início das primárias de seu partido, no começo deste ano, Biden ressuscitou das cinzas e varreu a chamada « superterça » nos estados do sul, com a qual agora conta para tirar a presidência de Trump.


« Há poucos dias, a imprensa e os talk shows declararam esta campanha morta (…) Estamos criando uma campanha que pode unir o partido e vencer Donald Trump », exclamou um Biden eufórico em um comício em uma quadra de basquete de Baldwin. Hills, um dos bairros mais perigosos de Los Angeles.


Amigo de Obama e parceiro de Kamala


Biden, de 77 anos, usa insistentemente seus oito anos ao lado de seu « amigo » Barack Obama na Casa Branca, como a cereja em uma longa carreira política no Senado dos EUA (1973-2009).


Ele também costuma se lembrar de suas origens humildes em Scranton (Pensilvânia) — seu pai era vendedor de carros — no coração do cinturão industrial, região que em 2016 deu as costas aos democratas e optou por Trump com pouco mais de 40.000 votos.


Ao fazer isso, ele tem apelado a dois setores demográficos que serão fundamentais nas eleições de 2020: a comunidade afro-americana e os eleitores da classe trabalhadora branca, cuja confluência permitiu as vitórias confortáveis ​​do democrata Obama em 2008 e 2012.


Somado a isso está sua histórica escolha por Kamala Harris, uma senadora da Califórnia, como sua companheira de chapa.


Harris, 55, é a primeira mulher afro-americana e também de ascendência asiática a ser indicada para a vice-presidência por um dos dois principais partidos, e com quem Biden buscou fortalecer sua imagem de política experiente e veterana.







Moderador da esquerda






Nas primárias progressistas, o candidato à presidência democrata teve que enfrentar um adversário interno após a ascensão deslumbrante da esquerda dentro do partido personificada pelo senador Bernie Sanders, que o acusou de falta de coragem para enfrentar aos poderes constituídos, como o financeiro de Wall Street, e de não querer realizar as mudanças estruturais que o país exige.


A congressista Alexandria Ocasio-Cortez, uma das estrelas progressistas em ascensão que fez campanha por Sanders, embora agora faça campanha por Biden, reconheceu a crescente cisão entre os democratas ao afirmar que « em qualquer outro país seria impensável » para ambos eles estavam « no mesmo partido político ».


O ex-vice-presidente, por sua vez, ficou encarregado de reforçar sua imagem de pragmático moderado, ao contrário da ambiciosa proposta de Sanders de implantar um sistema de saúde universal nos EUA, reverteu propostas como a proibição do fraturamento hidráulico (« fracking ») na exploração do petróleo e gás e vem acomodando suas posições ao setor mais tradicional de seu partido.


Precisamente Sanders e Ocasio-Cortez, que reconheceram suas diferenças notáveis ​​com Biden, deram seu apoio à campanha porque, como reconheceram, o principal agora é retirar Trump da Casa Branca.


Afirmou que estava « absolutamente confortável » com o casamento gay, forçando Obama a acelerar seu apoio explícito a essas causas e contribuindo para sua legalização final pelo Supremo Tribunal Federal em 2015.



Read more

A lire aussi

Laisser un commentaire